IFC e MIGA disponíveis para financiar projectos privados nas áreas financeira das TIC turismo infraestruturas e cultura

quinta, 26 janeiro 2017 10:29

A Internacional Finance Corporation (IFC) e a Multilateral Investiment Garantee Agency (MIGA), ambas membros do grupo Banco Mundial, estão disponíveis para financiar projectos privados em Cabo Verde, nas áreas financeira, das TIC, do turismo, das infra-estruturas e da cultura.

Essa disponibilidade foi apresentada nesta quarta-feira, 25, pela directora-geral regional da IFC para África Ocidental e Central, Vera Songwe, que chefia uma delegação composta por 10 elementos e que participou de um encontro com o empresariado cabo-verdiano para apresentação dos programas e das ofertas dessas duas instituições. Vera Songwe, que já foi directora do Banco Mundial para Cabo Verde, disse que a IFC e a MIGA reconhecem os esforços do Governo cabo-verdiano na melhoria das condições económicas do país, e, por isso, querem apoiar na concretização dos objectivos constantes do plano de desenvolvimento nacional, nomeadamente em relação à dinamização do sector privado.

Neste sentido, adiantou que essas duas entidades estrangeiras promotoras do desenvolvimento global voltadas para o sector privado nos países em desenvolvimento já estão a financiar um projecto do sector privado na área do turismo, mas salientou que querem fazer mais para ajudar o sector privado no arquipélago. “Esperamos que dessa nossa missão hoje com apoio do Governo e do sector privado consigamos a identificação rápida de outros projectos para podemos rapidamente mobilizar o sector privado”, disse adiantando que há possibilidade da mobilização de bilhões de dólares para financiar projectos privados. “Eu penso, sobretudo, no sector financeiro, onde podemos aumentar o acesso ao financiamento para as cooperativas agrícolas especialmente para as mulheres e jovens e também no sector de novas tecnológicas de informação e comunicação, no sector do turismo, infra-estuturas e cultura.

O encontro foi presidido pelo ministro das Finanças, Olavo Correia, que garantiu que o executivo está empenhado em criar todas as condições para que as empresas cabo-verdiana possam ter acesso a financiamento e possam crescer, produzir e exportar, gerando empregos e riqueza para o país. “O sector privado é importante e precisa de financiamentos e o Governo está em condições de trazer esses financiamentos para que o país possa crescer e desenvolver. Portanto, agradecemos essa missão da IFC, uma equipa muito reforçada de 10 pessoas e que estão disponíveis, sobretudo, para ajudar o sector privado, financiando projectos emitindo garantias para que os projectos possam avançar”, disse. Para maior atratividade dos Investimento Directo Estrangeiro (IDE), adiantou, o executivo vai continuar a trabalhar no reforço da estabilidade macro-económica, criar as condições para plena convertibilidade por forma que os investimentos externos possam também servir para financiar projectos domésticos. “A restrição que existe neste momento com relação ao mercado financeiro doméstico não é razão suficiente para os projectos não sejam financiados. Temos oportunidades a nível internacional para que os projectos bem montados, com qualidade e bem estruturados, possam ter financiamento e isto para nós é muito importante e positivo”.

O Governo nesta primeira fase pretende mobilizar 700 milhões de dólares, montante de demanda em termos IDE.

Fonte: Inforpress

© Copyright 2016, Núcleo Operacional da Sociedade de informação - E.P.E. Todos os direitos reservados. | design & concepção: NOSi.